• RUMO

Navegar é preciso, viver não é preciso.



“Quero sair daqui… Estou farto deste sítio, e às vezes quero simplesmente agarrar nas minhas coisas, fazer a mala e desaparecer”.


Ouvi isto várias vezes em consultório, nunca de forma igual. Normalmente em tom de desabafo, e raramente como um plano desejável. Mas a expressão tem peso, tem significância. Acho que todos nós já passamos por situações em que tudo fica insustentável. Em que chega ao ponto que parece que a única resposta é agarrar em tudo e sair- quando só o ato de existir e conviver com outros, com o mundo, é demasiado.


Mas quando se decide que é altura de romper completamente com o berço? Sair do tudo o que é familiar? Isso decide-se efetivamente, não se planeia voltar? Como se a decisão fosse uma escolha racional e fosse um jogo de números frios?


Normalmente quando se fala em emigrar é considerando que a migração é um ato de escolha baseado em fatores externos. Seja a migração forçada (guerra, desastres naturais, etc), ou a migração por fatores sociais, financeiros, académicos ou habitacionais. No entanto, duvido que exista uma pessoa que possa dizer que o ato de sair do país tenha sido decidido sem emoção.


Na altura de sair - fica tudo para trás. Os amigos ficam para trás, a família fica para trás, as conexões com os sítios onde se “pousava” ficam para trás. Não é uma escolha fácil- e se calhar, é por essas mesmas razões que se toma a decisão de sair. Pessoalmente, quando saí temporariamente de Portugal foi por isso mesmo. A decisão foi uma decisão saudável, uma procura de me afastar da minha vida, e de procurar algo melhor, nem que fosse de forma temporária. Uma pausa.


É frequente ouvir-se falar de uma espécie de “migração espiritual”, onde a pessoa saí à procura de uma conexão com o mundo, ou uma ligação mais forte com a própria vida. O mesmo podia-se dizer em relação à vida na generalidade. Chega uma altura, que é necessário sair para encontrar algo que não “isto”. Com diferentes intensidades, com diferentes procuras, chega-se ao ponto que é necessário algo que “não isto”. Uma experiência transversal, ainda mais comum na população Portuguesa.


Migrar é uma realidade nacional. Não é por nada que somos o país da “saudade”, uma nação onde pertencer é conviver com a não pertença.

Em última análise, migrar é uma procura de algo diferente. Esperançosamente de algo melhor. Mas sempre uma procura de mudar o que não é bom naquele momento. Com a mudança fica a saudade, fica a dor de perder, e fica a noção de pertença. Migrar não é um processo fácil, não é só um processo de mudança de espaço físico, e não é só um processo decidido por fatores externos. Decididamente escolhe-se olhar para migração como se fosse de um processo burocrático, apenas dando peso a uma parte da experiência.


Quando saí de Portugal, refleti pouco, e falei pouco sobre sair. Ficou só uma noção de saudade e de identidade vaga, sobre sair. Na altura se me perguntassem nem sabia especificamente o que me levou a sair de Portugal. Hoje retornado, percebo melhor.


Quão comum é não falar sobre isto? Quão comum é não perceber as razões que nos levam a sair?

Questiono-me até que ponto vamos olhar como sociedade para uma decisão tão profundamente impactante para a nossa vida, como se fosse um processo calculista.


António Tavares

156 views0 comments

If you are in an emergency situation, contact the competent authorities and institutions     IMEDIATE HELP

Useful links

contacts

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle

©2016-2020 rumo is a product by IFA. All rights reserved.